Uma vida bem pontuada

Trilha sonora sugerida: The End, Kings of Leon large Às vezes me pego a pensar em vírgulas e pontos. Gosto tanto delas, as vírgulas. São simpáticas até mesmo no formato. Veja só, parecem sorrisos. Pequeninos, de canto de boca. E quando acompanhadas de ponto, então?! É como se elas saíssem do texto e piscassem pra nós! As vírgulas me encantam, pois sempre aparecem pra me lembrar de pausar e respirar. A gente leva uma vida tão agitada e acelerada que não há oração que segure sem umas vírgulas pra aliviar.

Elas dão o tom. Transformam um texto duro em conversa. Trazem leveza e organização. Colocam cada coisa em seu lugar. Separam. Enumeram. Esclarecem. Enfatizam. Mas cuidado! Elas devem ser usadas com moderação. Para evitar exageros e até discussão. Uma vírgula errada e, pronto!, o rumo de uma história é todo alterado. As vírgulas dizem que ainda tem algo por vir. Para ser dito. Para ser lido. Para ser vivido.

Por outro lado, os pontos são necessários para finalizar os períodos. Os curtos e, principalmente, os longos. Apesar de serem chamados de ponto final, nem sempre anunciam o fim. São apenas pausas mais demoradas que por vezes precisamos. Um momento de repouso, de ponderação. Nos levam à reflexão. Também gosto quando geram suspense, quebram a monotonia e aparecem três, assim… juntinhos, bem grudadinhos!

E o que dizer sobre as interrogações? Minhas companheiras de toda hora. Como seria a vida sem dúvidas e indagações? A curiosidade nos move, nos orienta e nos faz conquistar muitas exclamações. De surpresas. De emoções. De sentimentos. Haja coração!!!

Um texto bem escrito é sempre bem pontuado. Tem vírgulas e outras pontuações, sem excessos. Todas nos momentos certo. E assim também deve ser a vida…

Por isso, um ponto, pra mim, nunca é o final. Se acabou uma frase, não significa que a história terminou. Os pontos podem finalizar um capítulo, nos fazer virar a página e até fechar um livro. E ainda assim não significa que seja o fim. Prefiro dizer que eles anunciam o começo… de uma nova história. Ou o recomeço… de uma história antiga. Afinal, podemos reescrevê-la e até transformar um ponto que seria final em muitas vírgulas, interrogações, exclamações e reticências…

Foto: We heart it

Comments

comments

Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *