• Poesias

    Aceite a sua escuridão interior

    Em um quarto escuro, tão logo enfrentamos com coragem o breu, mais rápido nossos olhos se acostumam e começamos a ver com mais facilidade.
    Assim também é o nosso crescimento espiritual. Tão logo enfrentarmos nossa escuridão interior, nos despindo dos medos, nos olhando com humildade, identificando e aceitando os nossos erros, nossos defeitos e dificuldades, mais rápido começaremos a ver a nossa luz interior. Mais fácil será trabalhar nas modificações necessárias. E mais rápido veremos os resultados da nossa transformação

  • Reflexões

    Amor, ordem e progresso

    Se você acredita na espiritualidade e têm como propósito a transformação interior, eu gostaria de chamá-lo à reflexão. Em um momento histórico como este, em que as emoções estão à flor da pele, como você está agindo?

    O plano espiritual nos pede para rezar pelo Brasil, pelos governantes e carregar a paz no nosso coração. Neste momento que as energias negativas estão em alta, vamos vibrar amor pelo Brasil, pelo Lula e seus apoiadores, pelo Moro e seus apoiadores. Mesmo que tenhamos um lado e nossas convicções políticas, temos que escolher em primeiro lugar o lado da espiritualidade.
    Mas vale lembrar que quem já tem algum entendimento da espiritualidade, mais do que rezar, tem que buscar o equilíbrio e evitar a escolha fanática, passional e raivosa de um dos lados. Evitar xingamentos, discussões e descontroles. Assim, além de ajudar aqueles que ainda não despertaram, também contribuímos com nossas atitudes para neutralizar as energias negativas. A nossa saúde também agradece. 

    Sei que muitas vezes não é uma tarefa fácil, mas é, sem dúvida, uma ótima oportunidade para nos observarmos e colocarmos em prática o nosso aprimoramento, seja em empatia, perdão, paciência, tolerância, etc.

    Que o amor, a ordem e o progresso comecem por nós.

     

  • Reflexões

    Vamos acolher Judas

    Quantas vezes em nossa vida nos deparamos com pessoas que nos fazem mal? Manipulam histórias a nosso respeito, fazem fofocas, mentem, traem nossa confiança, nos magoam. Tenho certeza que assim como eu, você já se sentiu vítima de alguma pessoa maldosa. E também já sentiu raiva de muita injustiça cometida com você ou por aí.

    O mundo está repleto de Judas. Isso não é novidade. Inclusive nós mesmos, sem querer reconhecer, atuamos nesse papel muitas vezes. Somos seres imperfeitos. Cometemos erros. Magoamos pessoas. Algumas vezes nos culpamos e deixamos o remorso nos consumir. Silencionamente. Cada dia um pouquinho.

    Geralmente, olhamos apenas para o nosso menino Jesus interior. Exaltamos o nosso lado bom. E atacamos o Judas que habita nos outros. Vamos olhar para o Judas alheio e também para o nosso. Sem ataques. Com compaixao. Vamos parar de malhar Judas. Vamos acolher esse ser que vive na sombra e clama por luz. Vamos perdoá-lo. Sejamos misericordiosos assim como muitos são conosco.

    Sugiro que neste momento você escolha uma ou algumas pessoas que te causaram algum sofrimento. Pense também em atitudes que você teve que magoaram alguém. Lembre-se do quanto ainda somos aprendizes em busca de aprimorar nossas virtudes. Que somos seres diferentes. Vivenciamos situações diversas que nos fazem ver e agir de maneiras distintas. Tente compreender que a maldade vem através da dor e do vazio interior que tanto nos perturba a alma. Ainda que muitas vezes isso seja imperceptível. Aceite que o outro erra, assim como você erra, tentando acertar. Mesmo que o certo do outro, seja errado para você. Liberte tudo que lhe faz mal. Mas vibre paz e envolva tudo em muito amor e perdão. Para que em algum momento todos nós consigamos caminhar apenas sob a luz do bem maior.

    Feliz Páscoa!

    beijo

    Carol

  • Poesias

    Sem rótulos. Não sou assim ou assado.

     

    Não sou assim
    ou assado
    Sou eu, 
    Simplesmente
    Completamente
    Sem rótulos
    Sem máscaras
    Sem regras
    Sou eu, igual e diferente
    De costas e de frente
    Sempre
    Sou menina e mulher
    Feia e bonita
    Triste e feliz
    Choro e gargalhada
    Conservadora e moderninha
    Recatada e assanhada
    Santa e safada
    Solta e amarrada
    Sou ordinária e original
    Sou eu, carente e autosuficiente
    Superficial e profunda
    Especialista e generalista
    Equilibrada e desajustada
    Doida varrida, sã precavida
    Sou metade de tudo
    Muito, pouco e nada
    Sou isso e aquilo
    Multifacetada
    Cheia de jeitos e trejeitos
    Sou 8 até oitenta
    Sou eu e parte de você
    Sem preço e etiqueta
    Sem comparação
    Com boa intenção
    Sou assim e assado 

    Feliz dia da Mulher! Que possamos ser respeitadas do jeito q somos: Sem rótulos. 

    Beijo

    Carol

  • Reflexões

    Vamos nos embebedar de amor

    Imagine um bêbado caminhando em uma estrada escura. Ele vai cambaleando devagar, todo desequilibrado pelo caminho. De repente uma luz forte aparece, ele se assusta com sua própria sombra e, cataploft, no chão! Ele levanta e cai muitas vezes, tentando se acostumar com a claridade. Fala sozinho e não obtém respostas sobre o que aconteceu. No dia seguinte, lembra-se vagamente. E sente as dores pelo corpo, sem entender o por quê daquilo. 

    Assim somos nós na caminhada da transformação pessoal. Desequilibrados por causa de algumas doses de falta de amor, nos assustamos quando uma luz ilumina a realidade de alguns fatos e revela nossas sombras. Caímos e levantamos inúmeras vezes. Ficamos perdidos, tentando entender por que estamos passando por tudo aquilo. Sofremos, nos questionamos e buscamos respostas que nem sempre queremos encontrar. Muitas vezes fazemos até mesmo as perguntas erradas para os nossos defeitos não enfrentar.

    É chegada a hora de nos curarmos desta embriaguez emocional. É preciso acolher quem somos. Aceitar nossas imperfeições. Trabalhar na substituição destas por virtudes. 
    Vamos nos embebedar de amor para acabar com a ressaca moral. E nos desintoxicar dos medos e culpas que tanto atrapalham a nossa evolução. 

    Vamos nos embebedar de amor para encontrar a lucidez. Que nos faz compreender o motivo das quedas. Quanto mais despertamos para o autoamor, mais sóbrios ficamos. Mais presentes e atentos às oportunidades nos tornamos. Mais aprendemos sobre nós mesmos. Mais nos antecipamos às situações. Menos tombos levamos. Menos sofrimento nos causamos. Mais equilibrados ficamos. E momentos de felicidade vivenciamos.
    Vamos nos embebedar de amor para nos aperfeiçoar e o lado bom da vida aproveitar. Só por hoje. 

    Acompanhe o Lentes do Coração nas redes sociais. Para curtir o Face clique AQUI Para segui no insta AQUI

    Um dia de muita luz para você.

    Bjo

    Carol =) <3

  • Reflexões

    Veja o lado bom da vida

     
    E se todos os dias ao abrir os olhos, você pudesse escolher uma lente para usar ao longo do dia, como ela seria? E se antes de enfrentar cada situação difícil que você vive diariamente, você pudesse escolher uma nova lente, como ela seria? E se isto se repetisse diversas vezes ao longo do dia: ao ouvir ou vivenciar uma história de crueldade, de maldade, fofocas e muito mais, quais seriam as suas lentes?

    Isso acontece. Todos os dias. Escolhemos nossas lentes assim como escolhemos nossas roupas. Com a diferença que as lentes do dia são escolhidas automaticamente. Nunca nos preocupamos nem nos preparamos tal qual para os looks do dia. Sem perceber, a todo instante vamos trocando de lentes. A todo momento estamos analisando e julgando histórias e pessoas com as mais variadas lentes. Lentes racionais. Lentes emocionais. Que trazem inúmeros filtros. De experiências passadas conscientes e inconscientes, de mágoas, de ressentimentos, de orgulho, de egoísmo, de falta de amor próprio, expectativas frustradas e tantas outras possibilidades que nossa mente pode criar.

    São lentes carregadas. De tristeza, pessimismo e preconceitos. Lentes construídas a partir de nossos defeitos. Da dificuldade de perdão. Da incompreensão do que é o amor. E da ausência de amor.
    Por outro lado existe um outro tipo de lente. Que só aparece de vez em quando. E deveria aparecer sempre. Elas são bastante sutis e sensíveis. Você pode até achar que existem pessoas que nem ao menos as possuem. Mas todos nós as temos. Só é preciso aprender a encontrá-las. Aprender como produzi-las. Por vezes seguimos as pistas erradas e as procuramos em coisas e em pessoas. Quando, na realidade, elas estão mais perto do que imaginamos. Estão bem aqui dentro de nós. Escondidas. E espalhadas pelo nosso coração. E para que elas apareçam com mais frequência, precisam ser conectadas através da nossa transformação.
    Quais lentes você vai usar hoje? 

    #vejaoladobomdavida 
    #sejaoladobomdavida

     

  • Reflexões

    Eu não vivo mais no passado

    Quanta mágoa e tristeza carregamos no peito. Sofrimentos e sentimentos que nos mantém acorrentados aos solitários calabouços do passado. Dizemos que temos facilidade em perdoar. Que não queremos mal, muito menos vingança. Mas toda lembrança da situação que nos machucou vem carregada de emoção. Tristeza, irritação e até raiva disfarçada.
    Para perdoar completamente não é preciso esquecer o ocorrido ou a pessoa. Não é preciso voltar a confiar. Nem a conviver.

    Contudo, é preciso aceitar que não dá mais para mudar o que já foi. Que não adianta vivermos aprisionados há um tempo que não volta mais. Aqueles que nos causaram sofrimento, fizeram o melhor que podiam naquele momento. Fizeram de um jeito diferente do que faríamos, pois veem a vida através de outras lentes. Foram instrumentos para auxiliar na nossa modificação interior. E algum dia também irão refletir, reconhecer, amadurecer e mudar o que for necessário. Em seu próprio tempo.

    Por isso, eu te proponho, procure lidar com os seus sentimentos com relação à atitude do outro. Identifique quais são as emoções que ainda aparecem. Pergunte-se por quê elas ainda existem? E o que você pode fazer para que elas desapareçam? Tentar ser mais compreensivo, empata, humilde, generoso? Que aprendizado tudo isso te trouxe? Quais virtudes você precisa desenvolver para que essas emoções sejam reequlibradas?

    A ideia é que aos poucos você se lembre da situação e da pessoa sem que isso te incomode e te desestabilize emocionalmente. Faça o que puder para libertar-se das correntes dessa prisão interior que ainda lhe atormentanta a alma. Assim o perdão e a cura acontecerão. Você irá parar de olhar pra trás e sobrará mais tempo e energia para viver a alegria do agora.

    Repita todos os dias: “eu tenho um passado, mas não vivo mais lá”. Viva o presente!

  • Reflexões

    Por mais inventários de bens morais

    Hoje faz 7 anos que eu perdi a minha mãe. Naquele dia eu prometi mantê-la viva dentro de mim, colocando em prática a maior riqueza que ela poderia ter me deixado: os ensinamentos morais e espirituais. A prática da fé, da caridade, do amor próprio e ao próximo. De lá pra cá, me dediquei a minha transformação pessoal. Em me tornar uma pessoa melhor e mais amorosa com o mundo.
    Por isso, se você está sofrendo pela perda de uma pessoa querida, eu peço que você faça um levantamento dos bens deixados por ela para você. Esqueça os bens materiais. Pense por alguns momentos, nas coisas boas que aquela pessoa te ensinou. Os bons exemplos que te deu. As qualidades e virtudes que você adimirava nela. Faça essa inventário moral. Depois olhe para a sua vida atual e pense como pode utilizar tudo isso em sua vida. Que modificações pode fazer? Faça! A sua transformação se tornará exemplo para outras pessoas. E quando você menos perceber, estará compartilhando a sementinha do amor com aqueles que estão ao seu redor.

  • Poesias

    Silêncio

    Não basta apenas se calar
    A mente inquieta tudo pode criar
    É preciso suas emoções identificar
    Seus pensamentos vigiar
    Suas atitudes modificar
    A positividade vivenciar
    É preciso seus medos enfrentar
    Para a alma libertar
    O caos interior acabar
    A paz em você reinar
    Em seu silêncio reside a doença e a cura
    Você escolhe com quem quer morar

  • Amor em Movimento

    Generosidade e Reciclagem geram arranjos que emocionam

    DSCN8284

    Você sabe o que acontece com as flores utilizadas para decorar grandes eventos, como casamentos, quando eles terminam? Lixo. E o que acontece quando uma florista criativa une generosidade e reciclagem? Flor Gentil, esse é o nome do belíssimo projeto que participei.

    Eu me apaixonei por esse projeto em 2011, mas só esse ano que fui lá conhecer. E foi uma experiência deliciosa e mega desestressante.

    O projeto foi criado pela florista Helena Lunardelli que decidiu dar um novo final às lindas flores que embelezam os eventos por aí. Lunardelli percebeu que aquelas flores que antes eram descartadas em ótimo estado poderiam ser reaproveitadas e transformadas em pequenos arranjos para serem entregues em casas de repousos.

    Eu e uma amiga, estivemos por lá no domingo 28/02. Chegamos por volta das 10h e ficamos até às 13h. Aprendemos a fazer a triagem das flores, separar as que estavam em bom estado das que não estavam. Essa parte é bem difícil no início, pois requer um pouco de desapego. Temos que descartar algumas flores que aparentemente estão boas. São flores que ainda estão bonitas, mas que em um dia estarão murchas. Dói no início, mas depois a gente acostuma.

     

    DSCN8267

    DSCN8278

    DSCN8276

    DSCN8272

    Separamos por cor e tipos de flores. Na sequência começamos a montagem dos arranjos. Não existe um jeito certo de fazer. Podemos soltar a criatividade. Porém tem sempre um coordenador que ajuda, dá dicas para que seu arranjo fique com cara de profissional. Tem gente que vai e só fica na triagem, outros  preferem ficar só na criação dos arranjos. Eu gostei dos dois trabalhos. É uma terapia. Não requer muita habilidade manual, o que me deixou bastante à vontade. O clima estava animado e me senti bem acolhida no projeto. Acho isso uma parte importante do trabalho voluntário. Depois dessa etapa de montagem, decidimos acompanhar a equipe na visita a uma casa de repouso de senhoras em Pinheiros.

    DSCN8294

    DSCN8300

    Nesse dia teve a filmagem para uma matéria sobre o projeto e eu acabei participando. Conversei com algumas senhoras muito simpáticas. A alegria delas em receber as flores me emocionou bastante. Mas consegui segurar as emoções. Isso é algo bem difícil pra mim (sou mega manteiga derretida). E algumas pessoas que participam do projeto me confidenciaram que ainda não participaram de uma visita, por conta do medo de como reagiriam, então preferem ficar nos bastidores, preparando os arranjos. O mais importante é não deixar os pensamentos tristes invadirem nossa mente. É tentar viver o momento e se entregar a uma conversa mais otimista e carinhosa. Para mim, funcionou. E acredito que conforme vamos praticando, vamos conseguindo trabalhar isso também.

    flor2

    O projeto que tem apoio do Yes Wedding conta com a ajuda dos doadores gentis: decoradores, floristas, empresas e pessoas físicas que doam as flores dos eventos que fazem.. Além de recolher as flores, criar novos arranjos e levar essa alegria aos idosos, o projeto ainda ajuda aqueles que não tem renda para decorar seu próprio casamento. Ah! E olha que bacana, o projeto ajuda até mesmo os voluntários que participam. Se você tem vontade de trabalhar como florista essa é uma ótima oportunidade de ajudar e ser ajudado. Os voluntários aprendem a fazer arranjos e após 20 horas de trabalho voluntário recebem um certificado de aptidão para que possam trabalhar como freelancer para as floriculturas e decoradores parceiros do projeto.  

    Você também gosta de flores? Então, aparece por lá. O ideal é ser um voluntário assíduo, mas o projeto não exige isso. Vai quem quer, quando puder.